September 18, 2014

Partilhe esta página

Empresas associam-se em projecto que articula aeroporto, portos e linhas de comboio em Benguela.

A Mota-Engil Angola, a Parque Expo e a Visabeira Angola são parceiras num projecto de desenvolvimento relacionado com infra-estruturas na província angolana de Benguela. A aliança das três empresas visa articular várias infra-estruturas com funções essenciais, “como o porto, o aeroporto e os caminhos-de-ferro, transformando esta província numa plataforma de desenvolvimento e internacionalização da economia angolana”, adiantou o administrador-delegado da Visabeira Angola, Gil da Silveira, em entrevista ao jornal angolano “O País”.

O desenvolvimento da região, através da promoção de investimento, é o principal objectivo deste projecto. Por isso, garante o mesmo responsável da Visabeira, “há que contar com infra-estruturas, produção energética, portos secos, algumas vias de comunicação terrestres, pólos de desenvolvimento industrial e também habitação”, explica.

Projectos nos quais a Visabeira já tem competências, sobretudo na parte de telecomunicações. A empresa é responsável pela infra-estrutura de televisão paga angolana. A Visabeira já investiu na TV Cabo Angola perto de 50 milhões de euros, dos quais cerca de 15 milhões foram aplicados nas ligações de Benguela/Lobito. A TV Cabo vai continuar a investir, sobretudo na expansão da rede de fibra óptica em Luanda, Benguela e Lobito. Investir nas redes eléctricas é outra das apostas.

Benguela – O capitão do 1ª de Maio de Benguela Márcio Luvambo disse sábado ser fundamental que os adeptos e demais agentes desportivos continuem a ajudar a equipa a vencer os jogos em casa, para que alcance os seus objectivos no Girabola2011.

O capitão proletário sustentou a sua afirmação no apoio da claque de mais de oito mil adeptos presentes este sábado no Estádio Eldefrides Costa “Miau”, que ajudou a que a equipa vencesse, por 3-0, o Petro de Luanda, na sexta jornada da prova.

Falando à Angop, após o encontro, o médio do 1º de Maio agradeceu aos adeptos a ajuda dada ao grupo para conseguir a vitória frente a formação da capital, admitindo que esse apoio permitiu aos jogadores superar as diferenças estruturais quanto ao adversário.

Afirmou que a forte presença de adeptos no Estádio Eldefrides Costa “Miau”, acabou por galvanizar a equipa a triunfar e avançar rumo à conquista dos seus objectivos.

Márcio, autor do segundo golo dos “proletários” no minuto 72, realçou que com esse triunfo, os jogadores corresponderam da melhor forma ao apoio dos adeptos, que compareceram em massa ao recinto.

O lateral-direito referiu que a equipa teve mais determinação e espírito de luta, razão por que conseguiu se superiorizar ao Petro de Luanda.

Considera que embora o Petro de Luanda seja uma forte equipa, o 1º de Maio mostrou que em campo as coisas são diferentes e contrariam a teoria.

“Conseguimos mostrar do que somos capazes e não nos abalamos com quaisquer resultados, mas lutamos sempre a favor das nossas metas”, asseverou, louvando os três pontos obtidos em casa.

De acordo com ele, como todos os jogos revelam-se difíceis, o conjunto encara o próximo adversário, na 7ª ronda do Girabola, com responsabilidade, seriedade e de cabeça erguida para lutar e tentar ganhar.

O secretário de Estado para os Direitos Humanos manifestou-se, na quarta-feira, preocupado com a superlotação da Penitenciária Central de Benguela, depois de ter reconhecido importância da actividade produtiva dos reclusos.
Bento Bembe, que falava à imprensa, no final no final de uma visita que àquele estabelecimento, disse que a situação cria transtornos à instalação dos reclusos.
A Penitenciária Central de Benguela, concebida para 1.500 presos, tem mais de 1.800, situação que, afirmou, deve ser revista.
Além de estar superlotada, a cadeia, referiu, precisa de obras de reabilitação, tal como o quintal que delimita a área da penitenciária.
Bento Bembe declarou ter verificado morosidade no tratamento de alguns processos-crime, frisando que isso contribuiu para o excesso de prisão preventiva.
Apesar destas situações, garantiu, os reclusos têm condições mínimas de acomodação.
António Bento Bembe prometeu trabalhar com os órgãos locais de Justiça para encontrar soluções para as dificuldades apresentadas pelos reclusos. O delegado do Ministério da Justiça na província de  Benguela, Miguel Maiato, reconheceu que as infra-estruturas para aplicação da justiça na província são insuficientes, mas anunciou que, ainda este ano, vai ser reabilitado o Palácio da Justiça no município do Cubal e construído o tribunal municipal da Ganda.
Entretanto, o secretário de Estado para os Direitos Humanos manifestou-se, na quarta-feira, no município do Lobito, impressionado com o Projecto Integrado de Águas de Benguela, cuja terceira fase está em curso.
Bento Bembe, que falava no final de uma visita à Estação de Tratamento de Água na povoação do Luongo, Catumbela, considerou o projecto importante para a satisfação dos direitos sociais dos cidadãos. O secretário de Estado disse ter gostado do que viu e ouviu quanto à dimensão e benefícios do projecto na vida das populações.
O empreendimento, referiu, é fundamental para a produção e distribuição da água aos habitantes das cidades do litoral da província.
A obra, frisou, responde à necessidade do cumprimento das normas dos direitos humanos, vertente privilegiada pelo Executivo.
Bento Bembe visitou a terceira fase do “Projecto Águas de Benguela”, que tem o objectivo de ampliar, até 2013, a capacidade de produção e a melhoria do transporte, de reserva e das redes de distribuição nas localidades do litoral da província.
O coordenador da comissão de gestão das Empresas de Águas e Saneamento de Benguela e do Lobito, Jaime Alberto, disse que após concluídas as obras, cerca de 1,7 milhões de pessoas são beneficiadas. No bairro Nossa Senhora da Graça, nos arredores da cidade de Benguela, anunciou, está prevista a construção de um reservatório com capacidade de cinco mil metros cúbicos e, na povoação do Luongo (Catumbela), outro com 1.500 metros cúbicos.
Jaime Alberto disse que com a execução desta terceira fase, as cidades do litoral da província vão ter novas redes e ligações domiciliárias asseguradas.
O projecto, frisou, deve duplicar a capacidade de distribuição de água a Benguela, reforçar com mais 500 litros por segundo, o Lobito e garantir o abastecimento ininterrupto na Baía Farta.
A terceira fase do Projecto Águas de Benguela foi lançada, em 2 de Março, na povoação do Luongo, pelo secretário de Estado das Águas, Luís Filipe da Silva.
O projecto engloba a construção de chafarizes e lavandarias em Benguela, Baía Farta, Catumbela e Lobito. Nos municípios do Bocoio, Cubal, Caimbambo e Chongoroi decorrem obras de montagem de sistemas de captação, no quadro do programa “Água para Todos”.